Pequeno Dicionário

Economês - Português

N - S


Clique na letra inicial da palavra desejada:

A  - B     C - F    G - M     N  O  P  Q  R  S     T - Z 

 

N

   

NAFTA -North American Free Trade Agreement

O NAFTA é a ampliação do acordo de livre comércio existente entre os Estados Unidos e o Canadá desde 1989, com a inclusão do México em 1994 como uma ampliação do FTA. 

Nasdaq

National Association of Security Dealers Automated Quotation System. Bolsa norte-americana em que são negociados papeis de empresas de Internet, informática e alta tecnologia. Opera no mercado de balcão, cujos títulos são negociados por meio do pregão eletrônico.            

Nasdaq Composite Index

Principal índice de ações negociadas na Nasdaq, bolsa eletrônica norte-americana que negocia ações das principais empresas de tecnologia e Internet. Exprime a variação média diária dos preços das ações listadas nesta bolsa.

Negociação comum

Aquela realizada em pregão, entre dois representantes de diferentes sociedades corretoras, a um preço ajustado entre ambos.

Negociação direta

Realizada sob normas especiais por um mesmo representante de sociedade corretora para comitentes diversos. Os interessados nessa operação devem preencher o cartão de negociação ou digitar um comando específico no caso de negociação eletrônica indicando que estão atuando como comprador e vendedor ao mesmo tempo.

Negociação por terminais

Veja Pregão eletrônico.

Nota de corretagem

Documento que a sociedade corretora apresenta ao seu cliente, registrando a operação realizada, com indicação da espécie, quantidade de títulos, preço, data do pregão, valor da negociação, da corretagem cobrada e dos emolumentos devidos.

Novo Mercado

Nome dado ao novo segmento da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), oficialmente lançado em 11 de dezembro de 2000. A proposta é de manter um sistema de negociação separado na Bolsa, no qual serão negociadas apenas ações de empresas que atendam a um conjunto de exigências que protegem os acionistas minoritários. O objetivo é atrair maior número de investidores, nacionais e internacionais, e aumentar o volume de negócios. Embora já lançado, o Novo Mercado ainda não tem data certa para começar a funcionar. A adesão das empresas é voluntária e elas precisam de um tempo para adaptar-se aos padrões exigidos.

Topo 

 

O

                

Oferta de direitos

Oferta feita por uma empresa a seus acionistas, dando-lhes a oportunidade de comprar novas ações por um preço determinado, em geral abaixo do preço corrente do mercado, e dentro de um prazo relativamente curto.

Oferta pública de compra

Proposta de aquisição, por um determinado preço, de um lote específico de ações, em operação sujeita a interferência.

Oferta publica de venda

Proposta de colocação, para o público, de um determinado número de ações de uma empresa.

Opção

Contrato que envolve o estabelecimento de direitos e obrigações sobre determinados títulos, com prazo e condições preestabelecidos.

Opção coberta

Quando há o depósito, em bolsa de valores, das ações-objetos de uma opção.

Opção de Compra de ações

Direito outorgado ao titular de uma opção de, se desejar, adquirir do lançador um lote-padrão de determinada ação, por um preço previamente estipulado, durante o prazo de vigência da opção.

Opção de venda de ações

Direito outorgado ao titular de uma opção de, se o desejar, vender ao lançador um lote-padrão de determinada ação, por um preço previamente estipulado, na data de vencimento da opção.

OIB - Opções sobre o índice Bovespa

Proporcionam a seus possuidores o direito de comprar ou vender um índice Bovespa até (ou em) determinada data. Tanto o Prêmio como o preço de exercício dessas opções são expressos em pontos do índice, cujo valor econômico é determinado pela BOVESPA (atualmente R$ 1,00).

Open market

No sentido amplo, é qualquer mercado sem local físico determinado e com livre acesso à negociação. No Brasil, porém, tal denominação se aplica ao conjunto de transações realizadas com títulos de renda fixa, de emissão pública ou privada.

Opep

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), com sede em Viena, foi fundada em 1960 por cinco países: Irã, Iraque, Kuwait, Arábia Saudita e Venezuela. Posteriormente, mais países se associaram, restando até hoje o Qatar (desde 1961); Indonésia (1962); Líbia (1962); Emirados Árabes Unidos (1967); Argélia (1969); Nigéria (1971). A Opep é um cartel do qual participam países em desenvolvimento dependentes de suas exportações de petróleo como principal fonte de renda. Seu objetivo é controlar o mercado de petróleo de modo a garantir a receita de seus países com a exportação do produto. Seus membros são responsáveis por cerca de 40% da produção mundial de petróleo e aproximadamente 65% das reservas mundiais conhecidas de óleo cru. 

Operação caixa

Operação pela qual um investidor vende a vista um lote possuído de ações e o recompra, no mesmo pregão, em um dos mercados a prazo; o custo do financiamento é dado pela diferença entre os preços de compra e de venda.

Operação de financiamento

Consiste na compra a vista de um lote de ações e sua venda imediata em um dos mercados a prazo; a diferença entre os dois preços é a remuneração da aplicação pelo prazo do financiamento.

Operador de pregão

Representante de uma sociedade corretora, que executa ordens de compra e de venda de ações no pregão de uma bolsa de valores.

Operador do sistema eletrônico

Representante de uma sociedade corretora, que executa ordens de compra e de venda de ações e/ou opções, pelo sistema de pregão eletrônico da Bovespa.

Ordem

Instrução dada por um cliente a uma sociedade corretora, para a execução de compra ou venda de valores mobiliários.

Ordem administrada

O investidor especifica somente a quantidade e as características dos valores mobiliários ou direitos que deseja comprar ou vender. A execução da ordem ficará a critério da corretora.

Ordem casada

Composta por uma ordem de compra e uma outra de venda de um determinado valor mobiliário. Sua efetivação só se dará quando ambas puderem ser executadas.

Ordem a mercado

Quando só há a especificação da quantidade e das características de um valor mobiliário. Deve ser efetuadas desde o momento de seu recebimento no pregão.

Ordem de financiamento

constituída por uma ordem de compra (ou venda) de um valor mobiliário em um tipo de marcado e uma outra concomitante de venda (ou compra) de igual valor mobiliário no mesmo ou em outro mercado, com prazos de vencimento distintos.

Ordem de Pagamento

Qualquer documento escritural em que uma pessoa autoriza outra a receber pagamento de uma terceira. Nesse contexto, as ordens de pagamento mais comuns são o próprio papel moeda e o cheque.

Ordem discricionária

Pessoa física ou jurídica que administra carteira de títulos e valores mobiliários ou um representante de mais de um cliente estabelecem as condições de execução da ordem. Após executada, o ordenante indicará:

1.O nome do investidor (ou investidores);

2. A quantidade de títulos e/ou valores mobiliários a ser atribuída a cada um deles;

3. Preço.

Ordem limitada

Aquela que deve ser executada por um preço igual ou melhor do que o especificado pelo comitente.

Ordem on-stop

O investidor determina o preço mínimo pelo qual a ordem deve ser executada.

1. Ordem on-stop de compra

Será executada quando, em uma alta de preços, ocorrer um negócio a preço igual ou maior que o preço determinado;

2. Ordem on-stop de venda

Será executada quando, em uma baixa de preços, ocorrer um negócio a um preço igual ou menor que o preço determinado.

OMC - Organização Mundial do Comércio

A Organização Mundial do Comércio, com sede em Genebra, foi criada em 1995 como uma conclusão da Rodada Uruguai do Gatt (Acordo Geral de Comércio e Tarifas), mecanismo anterior de regulamentação do comércio internacional. Desde sua fundação, a OMC é o organismo multilateral responsável pela regulamentação do comércio entre os 140 países associados, com o objetivo de liberalizar o comércio internacional. Suas principais funções são de administrar tratados comerciais, estabelecer fóruns de negociação comercial, mediar disputas comerciais e monitorar políticas comerciais nacionais. 

Oscilação

Variação (positiva ou negativa) verificada no preço de um mesmo ativo em um determinado período de tempo.

Overnight

Operações realizadas no open market por prazo mínimo de um dia, restritas às instituições financeiras. Operações de troca de dinheiro por um dia, para resgate no primeiro dia útil seguinte. No mercado é comum usar a abreviação over para este tipo de operação. O Over Andima é uma taxa referencial da média dos negócios realizados por um dia com troca de títulos públicos, segundo cálculos da Andima.

Topo  

 

P

    

Paraísos Fiscais

Países que oferecem incentivos às operações financeiras, por meio de vantagens como o sigilo total e a cobrança de impostos baixos ou nulos. Como exemplos podemos citar : Hong Kong, Bahamas, Ilhas Caymann, Luxemburgo, Suiça e Panamá.

P / L

Índice preço/lucro. É um índice usado no mercado financeiro para comparação de ações com a finalidade de identificar qual está barata ou cara, considerando este índice relativo. O índice é obtido da divisão do preço de uma ação no mercado pelo lucro líquido anual da ação em questão. Dessa maneira, o P/L indica uma estimativa de prazo, em anos, para que o investidor recupere o capital aplicado na compra da ação, assumindo-se a distribuição integral dos lucros da empresa. Na prática isso não acontece, porque o lucro e o preço da ação não são lineares (iguais todos os anos), nem os dividendos correspondem a 100% do lucro. Mas não deixa de ser uma estimativa. 

Passivo

Conjunto das dívidas e obrigações da empresa. É o oposto do Ativo, o qual representa o conjunto dos direito e bens da empresa.

Patrimônio

É o conjunto dos bens de uma pessoa ou empresa.

Patrimônio Líquido

Conceito da contabilidade. Corresponde à diferença entre o Ativo (bens e direitos) e o Passivo (dívidas e obrigações) de uma empresa. Se o passivo supera o ativo, temos um patrimônio líquido negativo.

Payout

Percentual do lucro de uma empresa pago em forma de dividendo.

Perfil do investidor

É o conjunto de características do investidor no que se refere a seus investimentos. Depende basicamente do nível de risco que aceita tomar nas suas aplicações, do horizonte de investimento (prazo para investimento), do nível de rendimento desejado, do horizonte de renda a receber, do nível de despesas familiar, do nível de segurança a garantir etc. É um conjunto muito grande de variáveis que vai definir quanto o investidor aceita colocar (ou não) numa aplicação de risco, quanto pode poupar, e se deve ou não fazer um seguro de vida. Quanto menos aceita risco, mesmo que recebendo rendimentos menores, mais conservador é o investidor. Quanto mais aceita riscos, apostando em rendimentos maiores, mais agressivo é o investidor. O perfil é pessoal, mas pode mudar com o tempo. Um jovem sem filhos naturalmente tem maior disposição ao risco do que uma pessoa perto da aposentadoria, que ainda tenha filhos para educar. Também um nível maior de despesas fixas torna as pessoas mais conservadoras, porque precisam ter reservas maiores para emergências, ou mesmo um caso de desemprego. Outras vezes, a parte destinada à poupança é reduzida porque se torna necessário fazer um seguro de vida, o que também faz com que o investidor tenda a ficar mais conservador. Vale lembrar, no entanto, que não existem regras para este perfil. Pode haver pessoas que tomam grandes riscos mesmo que este não seja seu perfil esperado. Mas são exceções. Os bancos de investimento costumam ter testes para traçar o perfil do investidor antes de oferecer produtos. De qualquer forma, o próprio investidor deve perguntar que nível de risco aceita antes de fazer qualquer investimento.

Permissionária

Sociedade corretora especialmente admitida no pregão de uma bolsa de valores, da qual não possui título patrimonial.

Pessoa Jurídica

Qualquer instutuição (empresa, sociedade, corporação, etc.) que se personaliza e individualiza, distinguindo-se das pessoas físicas que a formam.

PGBL

Plano Gerador de Benefícios Livres.

PIB - Produto Interno Bruto

É a medida do produto gerado na economia durante um determinado período de tempo. O cálculo é feito em unidades monetárias (Reais, Dólares etc) porque essa é a única forma de somar coisas tão distintas como bens (carros, toneladas de trigo, etc) e serviços (o produto gerado em escolas, bancos, barbeiros, hospitais, etc). A sua variação anual reflete o quanto a economia produziu a mais, ou a menos, que no ano anterior. A variação de 5,8% em 1994, por exemplo, mostra o quanto os brasileiros produziram a mais neste ano em relação ao anterior, já descontada a inflação do período. Por outro lado, é muito importante relacionar o crescimento da produção com o da população do país, pois, é esta relação que determinará se, na média, a população está "enriquecendo" ou não. Como exemplo pode-se observar os resultados do ano de 1991: mesmo com o crescimento de 0,3% do PIB, a evolução do PIB per capita foi negativa (-1,3%), evidenciando que a população cresceu mais do que a produção naquele ano, mostrando que, na média, a população empobreceu. É importante lembrar que o PIB per capita é apenas uma média indicativa: a distribuição deste ganho ou perda se dá de forma desigual entre as diferentes pessoas, e este efeito não é captado por este indicador.

PIB per capta

É muito importante relacionar o crescimento da produção (PIB) com o da população do país, pois, é esta relação que determinará se, na média, a população está "enriquecendo" ou não. Como exemplo pode-se observar os resultados do ano de 1991: mesmo com o crescimento de 0,3% do PIB, a evolução do PIB per capita foi negativa (-1,3%), evidenciando que a população cresceu mais do que a produção naquele ano, mostrando que, na média, a população empobreceu. É importante lembrar que o PIB per capita é apenas uma média indicativa: a distribuição deste ganho ou perda se dá de forma desigual entre as diferentes pessoas, e este efeito não pode ser captado neste indicador.

Posição em aberto

Saldo de posições mantidas pelo investidor em mercados futuros e de opções.

Poupança

Parcela da renda não utilizada para consumo.

Prazo

No mercado financeiro é o tempo definido para resgate de um título. Pode ser diário, mensal, anual, ou ter qualquer prazo combinado entre as partes. Alguns títulos não permitem o resgate antecipado. Outros podem ser resgatados antecipadamente, como a caderneta de poupança, mas com a perda de rendimento. E também existem os casos de títulos que pagam apenas parte do rendimento compromissado se o resgate for antecipado. No mercado financeiro também é comum se falar em investimento de curto, médio e longo prazos, como indicativos do tempo que se espera para que um investimento dê retorno. Estes são conceitos relativos, e não se referem ao prazo efetivo de aplicação, mas ao horizonte de investimento. Ações, por exemplo, são recomendadas como investimento de longo prazo, mas podem ser compradas e vendidas diariamente. Dependendo da circunstância, curto prazo pode ser um dia ou um mês. No Brasil, dada a histórica instabilidade econômica e elevada inflação, investimentos até um mês são considerados de curto prazo. Até um ano é médio prazo. E mais de um ano é longo prazo. À medida que a estabilidade econômica prevaleça, os conceitos de prazo de investimento deverão ser alongados. Nos Estados Unidos, o governo emite com facilidade títulos com vencimento em 30 anos. No Brasil, é difícil pensar num preço correto para títulos com mais de um ou dois anos. 

Prazo de subscrição

Prazo fixado por uma sociedade anônima para que o acionista exerça seu direito de preferência na subscrição de ações de sua emissão.

Preço de exercício da opção

Preço por ação pelo qual um titular terá direito de comprar ou vender a totalidade das ações-objeto da opção.

Pregão

Sessão durante a qual se efetuam negócios com papéis registrados em uma bolsa de valores, diretamente na sala de negociações e/ou pelo sistema de negociação eletrônica da BOVESPA.

Pregão eletrônico

Sistema eletrônico de negociação por terminais, que permite a realização de negócios, por operadores e corretoras credenciados, nos mercados a vista, a termo e de opções, com papéis e horários definidos pela BOVESPA.

Prêmio

É um termo usado em vários sentidos no mercado financeiro, associado ao ganho extraordinário que um agente tem ao tomar um risco qualquer. No mercado de opções, é o valor pago por quem compra o contrato para o emissor deste contrato. Como é o emissor que fica com o risco, novamente a palavra está associada a um ganho que se tem pela tomada de um risco.

Prêmio de Risco

Na metodologia de cálculo do índice de Sharpe, para avaliação de fundos de investimento, o termo representa a rentabilidade acima da taxa livre de risco (riskfree) ou do benchmark (parâmetro de mercado usado como medida de desempenho). O prêmio de risco é sempre definido em relação a uma aplicação alternativa. No índice de Sharpe, este prêmio é a rentabilidade média do fundo que supera à da caderneta de poupança, no período de cálculo considerado. É de se esperar que o fundo pague uma rentabilidade adicional sobre a poupança, considerada um ativo sem risco. 

Prime Rate

Indica nos Estados Unidos, a taxa preferencial de juros, mais baixa que a vigente no mercado e cobrada de tomadores de empréstimos privilegiados.

Private banking

Segmento dos bancos que faz atendimento diferenciado e exclusivo a clientes pessoa física que possuem grande volume de investimento. Cada instituição define qual o patamar mínimo de investimentos ou patrimônio para que o cliente seja atendido no private banking.  

Privatização

Aquisição ou incorporação de uma companhia ou empresa pública por uma empresa privada.

Produção Industrial

A pesquisa mensal industrial do IBGE fornece, mensalmente, uma estimativa do movimento do produto da indústria em termos físicos. Trata-se de um índice de quantum (análise das quantidades produzidas), cuja a base de comparação instituída pelo IBGE é atualmente o ano de 1991. O índice sazonalmente ajustado é aquele que procura, através de modelos estatísticos, eliminar os movimentos previsíveis de alta ou queda de produção para cada setor. Como exemplo de um movimento sazonal, temos o tradicional crescimento da produção de bens de consumo nos últimos meses do ano, em função da expectativa de um maior volume de vendas, devido ao Natal. Uma série ajustada sazonalmente já elimina este movimento previsível, ficando como resultado apenas a variação "pura" daquele período. Assim, hipoteticamente, se tivermos uma variação de +3%, já sazonalmente ajustada, na comparação entre a produção de um determinado bem no mês de novembro de 1996, em relação à realizada em fevereiro de 1996, isto representaria que, já descontado o movimento médio esperado para o período, houve um crescimento de 3% na produção - o ajuste sazonal torna possível a comparação "pura" entre dados.

Proventos

Veja Benefícios.

Put

Veja Opção de venda de ações.

Topo  

 

Q

             

Quadro de cotações

Local no recinto de negociações das bolsas de valores onde os diversos preços e quantidades de ações negociadas são apresentados.

Quinta feira Negra

O dia 24 de outubro de 1929, quando teve início a queda na Bolsa de Valores de Nova York, desencadeando a Grande Depressão que estenderia até meados da década de 30.

Quota (de fundo ou clube de investimento)

Parte ideal de um fundo ou clube de investimento, cujo valor é igual à divisão de seu patrimônio líquido pelo número existente de quotas.

Topo  

 

R

                       

R2

É uma medida do grau de relacionamento entre a rentabilidade do fundo e a do mercado de ações (medido pelo IBA - Índice Brasileiro de Ações). Um R2 de 0,9, por exemplo, indica que 90% das variações do fundo são explicadas pelo comportamento do IBA. O valor máximo que o R2 pode atingir é 1 (equivalente a 100%). Neste caso, toda e qualquer variação ocorrida seria explicada pelo comportamento do IBA.

Rating

É a avaliação e a classificação de ativos, fundos de investimento, empresas ou mesmo países, com base principalmente no critério de risco, feitas por companhia independente, especializada neste processo. O rating é expresso numa espécie de nota, sendo que cada instituição tem seu próprio sistema de notas, que não é comparável às demais. O rating soberano é o que avalia o risco de países, considerando, por exemplo, o risco de não pagamento de dívidas do governo, nível de endividamento, cumprimento de metas fiscais etc. Quanto maior o risco de uma moratória, por exemplo, quando o país não tem condições de honrar seus compromissos, menor o rating. O rating soberano influencia a confiança dos investidores estrangeiros na decisão de encaminhar ou não seus investimentos ao país. E também está intimamente ligado com o nível de juro cobrado pelo investidor para emprestar seu dinheiro. Quanto maior o risco, maior a taxa de juro exigida.

Razão Social

É o nome devidamente registrado sob o qual uma pessoa jurídica se individualiza e exerce suas atividades. A razão social diferencia-se do nome dado a um estabelecimento ou do nome comercial com que a empresa pode ser reconhecida junto ao público.

Recibo de subscrição

Documento que comprova o exercício do direito de subscrição, passível de ser negociado em bolsas de valores.

Recompra de ações

É a reaquisição das ações pela própria empresa emissora.

Redesconto

São duas as operações de redesconto no Brasil: redescontos de liquidez ou especiais. Os especiais são refinanciamentos de operações específicas, previstas por lei como financiamentos de produtos agrícolas, à exportação de manufaturados, etc. Quanto ao empréstimo de liquidez, trata-se de uma operação eventual, para cobrir o caixa de bancos com problemas momentâneos de liquidez. Por exemplo, caso um banco se programe para um volume de saque líquido de R$ x,xx na compensação de um determinado dia, e, na verdade ele foi superior a esta quantia, para que as operações deste banco sejam honradas, o Bacen empresta o valor necessário a este banco, cobrando uma taxa de juros superior à taxa média cobrada no mercado financeiro.

Registro em Bolsa

Condição para que uma empresa tenha suas ações admitidas à cotação em uma bolsa de valores, desde que satisfaça as normas estabelecidas pela mesma.

RCTB - Recibo de Carteira da Telebrás

Cesta de 13 ações, que contém papéis das 12 holdings criadas com a cisão da Telebrás, além das ações da própria Telebrás.

Renda Fixa

É o nome genérico que se dá para as aplicações em títulos que pagam juros, ou em investimentos que tenham carteira composta com maioria de títulos de renda fixa. Numa avaliação rigorosa, apenas as aplicações com juro prefixado poderiam ter este nome, por efetivamente fixar o rendimento. Na prática, este termo é usado também para os títulos que pagam juros pós-fixados. A comparação deve ser feita com ativos de renda variável, cujo comportamento é mais volátil e inesperado, assim, temos que CDB , LTN , cadernetas de poupança e títulos de crédito possuem renda fixa, que pode ser inteiramente pré-fixada ou vinculada à correção monetária.

Renda Variável

Rendimento obtido em aplicações cujos rendimento é desconhecido. É o caso geral de investimento em ações e em imóveis. O investidor quando compra este tipo de ativo acredita poder ganhar, mas não tem certeza de quanto, e sabe que também pode perder dinheiro. Ninguém sabe quanto será pago em dividendo ou aluguel, nem se o valor do ativo vai subir ou cair ao longo do tempo.

Rentabilidade

Ganho ou perda monetária ocorrida em um investimento, provocados pela variação de preço do título financeiro, ou pelo recebimento de uma renda derivada da posse do bem, como o recebimento de dividendos ou de aluguel. A rentabilidade costuma ser apresentada em valores percentuais. No moderno conceito financeiro, não basta avaliar qual a rentabilidade de um ativo, mas qual a rentabilidade em relação ao risco trazido para a carteira de investimentos. Ou seja: é sempre necessário avaliar se o rendimento esperado compensa ou não o risco assumido (relação retorno-risco). Um bom parâmetro para pensar a questão é comparar a rentabilidade esperada de um investimento com risco com a rentabilidade de um ativo sem risco, como a caderneta de poupança, em determinados volumes de aplicação. Naturalmente, um investimento com risco não pode pagar menos do que a caderneta de poupança.

Reservas Cambiais

As reservas cambiais refletem o montante de moeda estrangeira (e ouro) acumulado pelo país. O resultado do Balanço de Pagamentos, que reflete o resultado monetário das transações de bens e serviços realizadas pelos brasileiros com o exterior (Saldo em transações correntes), assim como o fluxo de capitais entre o país e o exterior (sejam empréstimos, financiamentos, aplicações em mercado financeiro, investimento direto em plantas industriais, etc), vai exprimir se houve acúmulo ou perda de moeda estrangeira no período, refletindo, portanto a variação das reservas cambiais. Vale lembrar que o Balanço de Pagamentos registra somente um fluxo monetário dentro de um determinado período (em geral os resultados são apresentados em trimestres ou anuais), enquanto que as Reservas Cambiais revelam o estoque de moedas estrangeiras em um determinado momento. Assim, podemos dizer que o Brasil, em dezembro de 1995, contava com um estoque de 52 bilhões de dólares em moeda estrangeira (Reservas Cambiais),e que, ao longo de 1995 houve um acúmulo de 13.5 bilhões de dólares no país.

Risco

Nível de incerteza quanto ao rendimento esperado de um investimento. No mercado financeiro, existem o risco de mercado e o risco de crédito. O risco de mercado é aquele relacionado com as oscilações de preço do investimento escolhido. O risco de crédito é o relacionado com a probabilidade de um título financeiro ser pago (risco de inadimplência do tomador do crédito). Regra geral, o nível de rentabilidade está associado ao nível de risco. Quanto maior o risco aceito pelo investidor maior deve ser a rentabilidade potencial deste investimento. Naturalmente, algumas aplicações envolvem maior risco. O investidor somente deve aplicar seu dinheiro num investimento quando conseguir entender o nível de risco que está assumindo. Não existe de fato investimento sem risco, embora o mercado até trabalhe com algumas taxas como se elas não tivessem risco algum, caso dos títulos do Tesouro norte-americano, e da caderneta de poupança no Brasil. Imagine um investidor que compra por cerca de $ 75 uma parte de um título norte-americano, com a promessa de receber 6% ao ano no prazo de cinco anos, quando então vai receber $ 100. Se no dia seguinte o juro subir para 7%, este mesmo título estará valendo no mercado $ 71. Ou seja: do dia para a noite perdeu dinheiro, se precisar vender o título, porque o juro mudou. Pode até não haver dúvidas de que o governo americano vai pagar suas dívidas, mas há o risco de perdas por alterações no mercado.

Risco Cambial

As operações financeiras que envolvem transação ou indexação cambial possuem o risco de perdas se houver uma variação cambial não esperada. Se um turista faz compras no exterior com cartão de crédito, corre o risco de, entre o ato da compra e o pagamento da fatura, ter ocorrido uma desvalorização cambial e ter que pagar mais do que o esperado, em reais, pela fatura do cartão. As empresas e pessoas físicas que tomam empréstimos indexados ao dólar também correm risco cambial.

Risco de Liquidez

É o risco associado à retenção de um ativo que não se consegue vender com facilidade (ativo sem ou com pouca liquidez), ou à necessidade de se fazer um empréstimo ou rolar uma dívida em um momento de escassez de recursos no mercado.

Risco País (ou de soberania)

É o risco de o governo de um país mudar a sua política ao ponto de interferir nos pagamentos a credores estrangeiros, por questões econômicas ou políticas. Este risco geralmente está embutido na taxa de juros cobrada por empréstimos estrangeiros.

Topo 

 

S

                

Sala de negociação

Local adequado ao encontro dos representantes de corretoras de valores e à realização, entre eles, de transações de compra e venda de ações/opções, em mercado livre e aberto.

Samurai Bonds

São títulos de renda fixa denominados em yen (moeda do Japão), emitidos por não-residentes no Japão e vendidos naquele país. Estes títulos ficam sujeitos à legislação japonesa, condição que os diferencia dos títulos emitidos em yen no euromercado. O mercado de títulos de renda fixa no Japão é hoje o segundo maior do mundo, em boa parte devido à alta capacidade de poupança da população. 

SEC - Securities & Exchange Comission

É a instituição de regulamenta o mercado de capitais norte-americano. É o órgão correspondente à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dos Estados Unidos.

Série de opções

Opções do mesmo tipo, sobre a mesma ação-objeto, com o mesmo mês de vencimento e o mesmo preço de exercício.

Sobras de subscrição

Direitos referentes ao não exercício de preferência em uma subscrição.

Sociedade Anônima

Empresa que tem o capital dividido em ações, com a responsabilidade de seus acionistas limitada proporcionalmente ao valor de emissão das ações subscritas ou adquiridas.

Sociedade corretora

Instituição auxiliar do sistema financeiro, que opera no mercado de capitais com títulos e valores mobiliários, em especial no mercado de ações. É a intermediária entre os investidores nas transações em bolsas de valores. Administra carteiras de ações, fundos mútuos e clubes de investimentos, entre outras atribuições.

Sociedade distribuidora

Instituição auxiliar do Sistema Financeiro que participa do sistema de intermediação de ações e outros títulos no mercado primário, colocando-os à venda para o público.

Sociedade Limitada

Sociedade comercial por cotas de responsabilidade limitada: cada sócio responde apenas na medida da sua cota. Deve adotar uma razão social que explique, o quanto possível, o objetivo da sociedade e seja sempre seguida da palavra "limitada" ou "Ltda".

Soma

Sociedade Operadora do Mercado de Acesso. É o mercado de acesso para as empresas que pretendem lançar seus papéis na Bolsa de Valores de São Paulo. A empresa lança seu papel na Soma para tentar atingir a liquidez de mercado (facilidade de negociação da ação) necessária para entrar na Bolsa paulista. É uma espécie de primeira etapa para ganhar a confiança do mercado. Assim como as bolsas, a Soma também está sob a fiscalização da Comissão de Valores Mobiliários.

Split

Elevação do número de ações representantes do capital de uma empresa pelo desdobramento, com a correspondente redução de seu valor nominal.

Spread

Taxa adicional de risco cobrada no mercado financeiro, sobretudo o internacional. É variável de acordo conforme a liquidez do tomador, volume de empréstimo e o prazo de resgate. No contexto financeiro, significa a diferença entre o custo de captação de recursos e o custo da taxa de empréstimos, ou a diferença entre o preço de compra e o preço de venda de um ativo.

Straddle

Compra ou venda, por um mesmo investidor de igual número de opções de compra e de venda sobre a mesma ação-objeto, com idênticos preços de exercício e datas de vencimento.

Subscrição

Lançamento de novas ações, por uma sociedade anônima, com a finalidade de obter os recursos necessários para investimento. Os acionistas de uma empresa possuem a preferência na compra de ações emitidas pelo aumento do capital e com preço inferior ao praticado pelo mercado. O exercício da subscrição deve ser feito em prazo determinado. A quantidade de ações a serem subscritas é proporcional ao número de ações já possuídas pelos acionistas. Embora o direito de subscrição seja reservado aos acionistas da empresa, ele pode ser negociado em bolsas de valores.

Swap

São contratos que estabelecem a troca de risco entre investidores. É o caso de uma empresa que tem receitas em dólar (exportações) e uma dívida corrigida por juros pós-fixados. Esta empresa gostaria de trocar seu risco ‘juro pós-fixado’ pelo risco ‘dólar’. Na outra ponta tem uma empresa varejista nacional, com receitas em reais, um bom caixa aplicado diariamente no mercado (acompanhando portando a evolução dos juros), mas que tem uma dívida em dólar. Esta empresa quer justamente o oposto, quer trocar seu risco ‘dólar’ pelo risco ‘juro pós-fixado’. Estas duas empresas então fazem um contrato de swap entre si, ou através da intermediação de instituição financeira, para trocar uma posição de risco. Swap é um contrato derivativo. Pode ser usado como no exemplo acima, de hedge (seguro), ou como especulação para ter ganhos extraordinários, podendo haver também perdas extraordinárias se a estratégia for perdedora. No mercado, as operações mais comuns destes contratos são de troca de juros prefixados por juros pós-fixados (CDI over), que é o swap prefixado, e swap cambial, de taxa de dólar por juros pós-fixados.


A - B C - F G - M T - Z  Índice