Pequeno Dicionário

Economês - Português

G - M


Clique na letra inicial da palavra desejada:

A  - B     C - F    G  H  I  J  K  L  M     N  - S     T - Z

 

G

 

Ganho de capital

Diferença positiva entre o valor de venda dos bens e direitos e seu respectivo custo de aquisição.

GATT  - General Agreement on Tariffs and Trade

Tratado multilateral de comércio internacional firmado em 1947. O GATT rege-se por três princípios básicos : tratamento igual, não discriminatório, para todas as nações comerciantes; redução de tarifas por meio de negociações e eliminação das cotas de importação.

Gestão ativa

Tipo de administração dos recursos dos fundos que tem como objetivo superar o rendimento de seu benchmark. Desta forma, a carteira de investimento não é necessariamente igual à composição do índice de referência.

Gestão passiva

Tipo de administração dos recursos dos fundos que tem como objetivo atingir a mesma rentabilidade de seu benchmark. Desta forma, a carteira de investimento deverá ser igual à composição do índice de referência.

Globalização

É um termo de ampla abrangência, muito usado na imprensa. Refere-se ao processo de internacionalização das economias, com crescente integração e interdependência entre os mercados. Até os anos 80, muitas empresas vinham expandindo suas atividades pelo mundo, seja pela exportação de produtos, e importação de fatores, seja pela instalação de subsidiárias fora do país de origem. Este quadro evoluiu a partir dos anos 90, com a quebra de fronteiras propiciada pelo desenvolvimento das comunicações e da tecnologia de informação, e também por mudanças institucionais como a abertura comercial e a desregulamentação de diversas economias. Esse conjunto de condições não só favorece o comércio e as transferências de capital para investimento entre países, mas também vem permitindo às empresas posicionar suas estratégias considerando o mundo como um mercado integrado, de dimensões globais.

Governança corporativa

É o sistema que garante o tratamento igualitário entre os acionistas, além de transparência e responsabilidade na divulgação dos resultados da empresa. Através da prática da governança corporativa, é permitido aos acionistas a efetiva monitoração da direção executiva. Dentre as medidas estabelecidas por empresas que seguem a prática da boa governança devem constar quatro princípios básicos: tratamento igual a acionistas minoritários e majoritários, transparência na relação com o investidor, adoção de normas internacionais nos registros contábeis e cumprimento das leis. Se a empresa adota esses princípios, recebe mais crédito de instituições que defendem a posição do acionista minoritário na administração da empresa. Vários países adotam códigos das melhores práticas de governança corporativa. No Brasil, este documento foi preparado pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), em maio de 1999. O projeto teve apoio da Bolsa de Valores de São Paulo, que patrocinou o lançamento do código.

Grupamento

É a redução do número de ações sem alteração do capital social da empresa, através da reunião em uma única ação de várias ações da empresa. É o oposto de um desdobramento. Um grupamento pode ocorrer quando há uma queda persistente da ação fazendo com que seu preço fique muito baixo.

 

Topo

H

    

Hedge

Expediente adotados por compradores e vendedores para se resguardarem de flutuações de preços. Em finanças, a palavra tem o sentido de expressar operações que reduzem o risco, referindo-se à operação feita no mercado financeiro para se proteger de oscilação brusca de preços. Não se trata de um tipo de operação, mas do objetivo da operação. Por exemplo, mercados futuros e de opções tanto podem ser usados no sentido de proteção contra riscos (hedge) como no de especulação com objetivos de obter ganhos extraordinários. Quando usados com objetivo de hedge, os mercados derivativos têm a função de reduzir o risco das partes. Quando usado para especulação, o risco pode aumentar.

Holding (empresa)

Aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Home broker

Termo relacionado à Bolsa de Valores de São Paulo, referente sistema de negociação através da Internet, que permite ao usuário dar ordens diretas de compra e venda através da rede.

Horizonte de investimento

Horizonte de investimento de qualquer ativo financeiro ou real depende do tempo que é necessário para obter um melhor retorno, teoricamente. Assim, quando se compra ações, regra geral, os analistas recomendam ter um horizonte de longo prazo. Embora as ações possam ser vendidas a qualquer momento, o ideal é que o investidor atue neste mercado com uma estratégia de ganhar dinheiro no longo prazo. Não convém aplicar hoje em ações o dinheiro que será usado para pagar a prestação da casa própria amanhã, por exemplo. Esta é uma recomendação natural para investimentos de maior risco. Também não se deve comprar um imóvel sabendo que será necessário vendê-lo em seis meses. É melhor esperar um momento adequado, que pode ser em seis meses, mas também pode não ser. 

Hot Money

São aplicações em títulos ou no câmbio, atraídas por taxas de juros elevadas ou diferenças cambiais significativas, de curtíssimo prazo, podendo deslocar-se de um mercado para outro com grande agilidade. de flutuações de preços. No mercado financeiro brasileiro, é o termo usado para operações de crédito voltadas às empresas que precisam de capital de curtíssimo prazo (inferior a 30 dias). As empresas tomam dinheiro no hot money para cobrir eventual falta de caixa para suas atividades.

 

  Topo

I

                 

IBA - Índice Brasileiro de Ações

O Índice Brasileiro de Ações é calculado pela Comissão Nacional de Bolsas de Valores (CNBV). É um índice que mede o comportamento de ações na Bovespa. Ele é composto por ações das empresas que estiveram presentes em, no mínimo, 80% dos pregões nos últimos seis meses, com, no mínimo, dez operações em cada pregão. No índice são evitadas as ações que aparecem em negócios esporádicos, o que torna o preço de suas negociações pouco representativo. O peso de cada papel no índice é proporcional ao volume de negócios realizados.

IBGE

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Órgão governamental que tem a finalidade de fornecer informações e estudos estatísticos, geográficos, demográficos, cartográficos, de recursos naturais etc., necessários ao conhecimento da realidade física, social e econômica do País.

IBOVESPA

Sigla do Índice Bovespa. É o índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa. O índice é composto por papéis de primeira e segunda linhas. O primeiro critério para o papel compor o índice é o da negociabilidade. Ou seja: é preciso que o papel esteja entre os 80% mais negociados no mercado. O segundo critério é o da presença do papel nos negócios realizados em 80% dos pregões. E o terceiro é o da participação do papel, com representação de, no mínimo, 0,1% do volume total da Bolsa.

IBV - Índice da Bolsa de Valores

Número que exprime a variação média diária dos valores das negociações na Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, de uma carteira de ações de cerca de cem empresas selecionadas.

IBX - Índice Brasil

O Índice Brasil é calculado pela Bovespa. É um índice de preços que mede o retorno de uma carteira teórica composta por 100 ações (primeira, segunda e terceira linhas) selecionadas entre as que apresentarem o maior número de negócios e volume financeiro. São ponderadas no índice pelo seu respectivo número de ações disponíveis à negociação. O IBX é considerado um índice que avalia o retorno total das ações componentes de sua carteira. A revisão na composição da carteira é feita a cada quatro meses. 

IDU - Interest Due and Unpaid

Título de dívida externa do governo brasileiro com vencimento em 2001, do grupo dos bradies.

Imposto de Renda

Tributo cobrado das pessoas ou empresas sobre a renda obtida no exercício de suas atividades profissionais ou comerciais, ou ainda sobre os rendimento resultantes de aplicações financeiras. No caso das pessoas, quanto maior a renda, maior a taxa de imposto a ser paga ao governo. Para as empresas, o porcentual do imposto depende do tipo da empresa e do regime no qual ela se enquadra. Aplicações financeiras têm alíquotas diferenciadas. As de renda fixa pagam 20%. As de renda variável pagam hoje 10% e vão pagar 20% a partir de 2002.

Inadimplência

Falta de cumprimento de um contrato ou de qualquer de suas condições. Termo usado com muita freqüência para indicar o não-pagamento, por parte do tomador, do empréstimo no montante e prazo estipulados nas cláusulas do contrato. É a situação daquele que deve e não honra seus compromissos.

Indexação

É o processo de correção monetária de contratos expressos em moeda corrente, com base na variação de índices de inflação, com o objetivo de proteger o credor do contrato das perdas provocadas pela desvalorização sistemática da moeda (aumento generalizado de preços). O mecanismo ganhou muita importância no Brasil durante os anos de inflação galopante. Praticamente todos os contratos - de aplicações financeiras, a aluguéis e salários - eram indexados, corrigidos, pela variação da inflação. Este é um mecanismo eficiente no sentido de evitar uma explosão incontrolável de preços em momentos de inflação galopante, o que poderia levar a um processo hiperinflacionário. Mas, ao mesmo tempo que protege o valor real dos contratos, tirando o efeito inflacionário, é um mecanismo de perpetuação do nível de inflação, porque praticamente toda a economia passa a repetir o padrão de comportamento de preços do passado. Simplificando, um processo de alimentação automática de aumentos de preços, na linha de inflação inercial.

Índice de ações

É um índice que representa o comportamento de um conjunto de ações, que seja representativo, das oscilações de preços destes ativos, com base nos negócios realizados em determinada Bolsa de Valores. Há muitas formas de calcular este índice. Cada um tem sua metodologia. Regra geral, este número deve representar a variação média de preços no mercado, considerando também a importância de cada ação no volume de negócios (ponderação). No Brasil, o principal índice é o Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo. Nos Estados Unidos, há dois índices muito importantes. O mais tradicional é o Dow Jones, da Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE - New York Stock Exchange). O segundo índice é o Nasdaq, também da Bolsa de Valores de Nova Iorque, mas que tem um peso maior de empresas de tecnologia. Com as transformações econômicas com base na tecnologia - incluindo empresas de telecomunicações, de informática e Internet -, o Nasdaq se tornou a referência de expectativas para a chamada nova economia, que inclui estes setores dinâmicos de tecnologia. O Dow Jones, por sua vez, como mais tradicional, está atrelado à velha economia, embora também haja empresas de tecnologia na sua composição.

Índice de lucratividade

Relação entre o capital atual e o inicial de uma aplicação.

Índice de Sharpe

Número que expressa o retorno por nível de risco de cada carteira ou ativo. Este índice é usado pela Anbid para avaliar o desempenho dos fundos de investimento. Para avaliar o desempenho de um ativo qualquer, o analista deve usar índices como o Sharpe, que ponderem rentabilidade por risco. Avaliar algo apenas por sua rentabilidade distorce as conclusões do estudo.

Índice Preço/Lucro - P/L

Quociente da divisão do preço de uma ação no mercado, em um instante, pelo lucro líquido anual da mesma. Assim, o P/L é o número de anos que se levaria para reaver o capital aplicado na compra de uma ação, pelo recebimento do lucro gerado por uma empresa. Para tanto torna-se necessário que se condicione essa interpretação à hipótese de que o lucro por ação se manterá constante e será distribuído todos os anos.

 Índices de Preços

O termo "índice de preços" se refere a um número que permite acompanhar a evolução do preço de um determinado produto (ou uma cesta de produtos) no tempo. A taxa de inflação, tradicionalmente chamada por índice de inflação, expressa a variação de um número índice que é calculado a partir da média ponderada de preços de vários bens (previamente estabelecidos por um instituto de pesquisa). Neste sentido, o "câmbio" nada mais é do que a variação do preço de uma moeda estrangeira (em geral do dólar), podendo, igualmente, ser transformado em um número índice, cuja variação tradicionalmente é chamada por "variação cambial".

Inflação

Inflação é o nome que se dá ao processo de elevação do nível geral de preços, isto é, da média dos preços de uma economia, que provoca uma perda do poder aquisitivo da moeda. Inflação elevada é um forte sinal de instabilidade da economia. Há muitos fatores que geram inflação. Um aumento muito grande de um preço básico da economia, como o petróleo, pode contaminar os demais preços da economia, provocando inflação maior. Se o governo gasta mais do que arrecada, e cobre seus gastos extras emitindo dinheiro, está provocando uma desvalorização de sua moeda. E à medida que a moeda vale menos, os produtos sobem de preço, gerando a inflação. A inflação empobrece a população, principalmente as pessoas que têm menos instrumentos para se defender, das camadas mais pobres. Na época de inflação galopante no Brasil, as pessoas que não tinham acesso às contas correntes com correção monetária sofriam mais este efeito, porque o dinheiro sem correção perdia valor todos os dias. Esta perda de valor do dinheiro também é chamada imposto inflacionário. Os índices de preço, ou de inflação, são indicadores que procuram mensurar a evolução do nível preços. Um índice de preços é um número que está associado à média ponderada dos preços de uma determinada cesta de produtos em um determinado período. Assim, se de um mês para o outro determinado índice de preços sofre uma elevação de 0,5%, por exemplo, significa que os preços que fazem parte da cesta correspondente a esse índice aumentaram, em média, 0,5%.

No Brasil, os principais índices de inflação são:

  1. IPC Fipe - Índice de Preços ao Consumidor, calculado pela FIPE/USP, mede a variação dos preços de produtos e serviços, no município de São Paulo, para famílias que ganham entre 1 e 20 salários mínimos.

  2. IGP-M - Índice Geral dos Preços do Mercado, calculado pela Fundação Getúlio Vargas. A coleta de preços é feita entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês corrente, com divulgação no dia 30. É composto por três índices: Índice de Preços no Atacado (IPA), Índice de Preços ao Consumidor (IPC) e Índice Nacional do Custo da Construção (INCC), que representam 60%, 30% e 10%, respectivamente, do IGP-M.

  3. IPC - Índice de Preços ao Consumidor, calculado pela FGV, mede a inflação para famílias com rendimentos entre 1 e 33 salários mínimos, em São Paulo e no Rio de Janeiro. O IPC representa 30% do IGP-M. Este índice é calculado para três intervalos diferentes, e compõem os demais índices calculados pela FGV (IGP-M, IGP-DI e IGP-10), com um peso de 30%.

  4. IPA - Índice de Preços no Atacado, calculado pela FGV, com base na variação dos preços no mercado atacadista. Este índice é calculado para três intervalos diferentes, e compõem os demais índices calculados pela FGV (IGP-M, IGP-DI e IGP-10), com um peso de 60%.

  5. INCC - Índice Nacional do Custo da Construção, calculado pela FGV, mede a variação de preços de uma cesta de produtos e serviços atualizados pelo setor de construção civil. Este índice é calculado para três intervalos diferentes, e compõem os demais índices calculados pela FGV (IGP-M, IGP-DI e IGP-10), com um peso de 10%.

  6. IGP-DI - Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna. É calculado pela FGV entre o primeiro e o último dia do mês. Sua divulgação ocorre por volta do dia 10 do mês seguinte. Mede os preços que afetam diretamente a atividade econômica do País, excluída as exportações. A exemplo do IGP-M, também é composto pela média ponderada do IPC, IPA e INCC, calculados para o respectivo período.

  7. INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor. Calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. Mede a variação nos preços de produtos e serviços consumidos pelas famílias com rendas entre 1 e 8 salários mínimos. O período de coleta de preços vai do primeiro ao último dia do mês corrente e é divulgado aproximadamente após o período de oito dias úteis.

  8. IPCA - Índice de Preços ao Consumidor Ampliado. É calculado pelo IBGE nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além do Distrito Federal e do município de Goiânia. Mede a variação nos preços de produtos e serviços consumidos pelas famílias com rendas entre 1 e 40 salários mínimos. O período de coleta de preços vai do primeiro ao último dia do mês corrente e é divulgado aproximadamente após o período de oito dias úteis.

  9. ICV - Índice do Custo de Vida, calculado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócio-Econômicos), mede a variação dos preços em quatro grupos: alimentação, transportes, saúde e habitação. A pesquisa é realizada no município de São Paulo, pegando todas as faixas de renda. O período de coleta de preços vai do primeiro ao último dia do mês corrente e o índice é divulgado aproximadamente no início da 2ª quinzena do mês seguinte.

  10. ICVM - Índice do Custo de Vida da Classe Média. Calculado pela Ordem dos Economistas, a pesquisa é realizada no município de São Paulo, tomando como base as despesas das famílias que tenham uma renda mensal na faixa entre 10 e 40 salários mínimos. O período de coleta de preços vai do primeiro ao último dia do mês corrente e o índice é divulgado aproximadamente no 10º dia de mês seguinte.

Informação privilegiada

Informação que não é pública, conhecida por poucos. O insider é a pessoa que teve acesso à esta informação privilegiada. É ilegal usar informações privilegiadas para obter ganhos no mercado financeiro. Desta forma, um diretor financeiro de uma empresa não pode negociar no mercado financeiro com base em informações que não sejam públicas. Em geral, estes termos aparecem ligados aos mercados de ações, futuros e opções, justamente quando ocorre um negócio irregular feito por quem tem esta informação privilegiada, ou foi orientado por insider.

Insider

Investidor que tem acesso privilegiado a determinadas informações, antes que estas se tornem conhecidas no mercado.

Institucional (investidor)

Instituição que dispõe de vultosos recursos mantidos em certa estabilidade e destinados à reserva de risco ou à renda patrimonial e que investe parte dos mesmos no mercado de capitais.

Investimento

Em economia, considera-se investimento todo acréscimo de capital das empresas destinado à ampliação da sua capacidade produtiva. No dia-a-dia, o termo é usado genericamente para identificar aplicações financeiras, que são, na verdade, modalidades de poupança, e não de investimento. A principal fonte dos recursos destinados ao investimento é a poupança das pessoas e empresas. Parte importante da poupança guardada no sistema financeiro é emprestada para as empresas investirem. Quando o governo gasta mais do que arrecada, também disputa parte desde dinheiro poupado, através da venda de títulos públicos. Ou seja: quando o governo emite títulos e tira dinheiro do mercado está reduzindo o capital disponível para novos investimentos privados. Quando a poupança interna de um país não é suficiente para sustentar seus investimentos, como ocorre com o Brasil, o país pode fazer dívidas no exterior. O país também pode receber investimentos diretos de empresas estrangeiras que querem se instalar no seu território. O investimento em produção pode ser feito em estruturas, como prédios e fábricas, ou em equipamentos, como máquinas e computadores, ou mesmo em estoques de materiais e produtos finais. Existe um volume mínimo de investimentos necessários para que a empresa pelo menos mantenha sua capacidade produtiva, uma vez que as instalações e equipamentos estão sofrendo desgastes permanentes, o que é chamado de depreciação. Se o investimento feito é menor do que a depreciação, a empresa está perdendo capacidade produtiva e pode estar caminhando para um sucateamento de sua planta. Ou seja: pode acabar com uma planta produtiva muito defasada, sem competitividade, com custos elevados, o que leva a empresa à incapacidade de vender seus produtos. A parcela do investimento que ultrapassa a depreciação é chamada de investimento líquido.

Investimento Estrangeiro

Aquisição de empresas, equipamentos, instalações, estoques ou interesses financeiros de um país por empresas, governos ou indivíduos de outros países.

IOF

Imposto sobre Operações Financeiras. Imposto cobrado sobre as operações de crédito e seguro realizadas por instituições financeiras e seguradoras. O governo usa este imposto como fonte de arrecadação e para fazer política econômica, estimulando ou punindo operações, à medida de seus objetivos. Por exemplo, se quer estimular o crédito, pode reduzir o IOF. Se quer estimular alongamento de prazo das aplicações de renda fixa, coloca um IOF sobre saques inferiores a 30 dias.

IPCA-E - Índice de Preços ao Consumidor Ampliado Especial

Possui a mesma estrutura do IPCA, diferenciando-se somente pelo período de coleta, que se dá entre o dia 15 do mês anterior e 15 do mês de referência. Este índice foi especialmente criado para a correção da UFIR e a partir de Dez/94 passou a ser divulgado trimestralmente. Foi o indexador oficial da economia brasileira de Dez/85 até o Plano Cruzado.

IRF-M 

Índice de Renda Fixa do Mercado, indicador utilizado para medir o desempenho dos títulos de renda fixa prefixados. É um índice de rentabilidade calculado para uma carteira teórica composta por títulos públicos federais (LTNs - Letras do Tesouro Nacional). Divulgado pela BM&F (Bolsa de Mercadoria & Futuros) e pela Andima (Associação Nacional das Instituições do Mercado Aberto ) desde 1º de dezembro de 2000, é um bom parâmetro para acompanhar o desempenho dos fundos de investimento em renda fixa prefixados, que concentram suas carteiras em papéis com este perfil.

 

Topo   

J

Joint-Venture

Associação de empresas para o desenvolvimento e execução de um projeto específico.

Juros

Taxa de rendimento paga por bancos, empresas e pessoas físicas que tomam dinheiro emprestado, seja para uso próprio ou para repasse a terceiros. Quando um poupador aplica seu dinheiro no banco, está de fato emprestando o dinheiro ao banco, em troca de uma taxa de juro. O mesmo acontece com o governo, que vende seus títulos públicos no mercado, e em troca deste dinheiro aceita pagar juros. O mercado trabalha com juros prefixados (valor da taxa é conhecido na aplicação) e pós-fixados (valor da taxa é conhecida no final da aplicação). Quando a taxa de juro tende a cair, as aplicações prefixadas costumam ser mais rentáveis. Quando o juro tende a subir, ganham as aplicações pós-fixadas. No entanto, ninguém sabe com certeza se uma taxa de juro vai subir ou cair. Este é o risco inerente ao investimento.

Topo

K

 

Keidaren

A mais importante associação empresarial japonesa, agrupando empresas e organizações dos mais variados ramos de negócio.

 

Topo

L

             

Laissez-Faire, Laissez-Passer

Palavra de ordem do liberalismo econômico, cunhada no século XVIII pelos fisiocratas franceses, proclamando a mais absoluta liberdade de produção e comercialização de mercadorias. Em tradução direta significa "deixar fazer, deixar passar".

Lançador

No mercado de opções, aquele que vende uma opção, assumindo a obrigação de, se o titular exercer, vender ou comprar o lote de ações objeto a que se refere.

Lançamento de opções

Operação de venda que dá origem às opções de compra ou de venda.

Lance

Preço oferecido em pregão para a compra ou venda de um lote de títulos, pelos representantes das sociedades corretoras.

Leasing (arrendamento mercantil)

Operação financeira entre uma empresa proprietária de determinados bens (máquina, carro, etc.) e uma pessoa jurídica, que usufrui desses bens contra o pagamento de prestações. A grande vantagem do leasing é a não imobilização de capital, sobretudo nos casos em que o valor do bem é muito alto e que terá utilização limitada. No final do contrato, a arrendatária tem a opção de adquirir definitivamente o bem arrendado.

Lei Anti Truste

Conjunto de leis promulgadas nos Estados Unidos para restringir a ação monopolista de certas grandes empresas.

Leilão especial

Sessão de negociação em pregão, em dia e hora determinados pela bolsa de valores em que se realizará a operação.

Letra de câmbio

Tipo de título negociável no mercado. Consiste numa ordem de pagamento em que uma pessoa ordena que uma segunda pessoa pague determinado valor para um terceira. Deve trazer, de forma explícita, o valor do pagamento, a data e o local para efetuá-lo.

Letra do Tesouro

Qualquer título emitido pelo governo federal, com prazo fixo e que paga juros de mercado. As Letras do Tesouro são usadas como instrumento de controle do dinheiro circulante e de financiamento a investimento e obras públicas.

Letra hipotecária

Título de crédito emitido por bancos hipotecários, que têm como lastro os créditos habitacionais concedidos pela instituição. A LH paga a TR (Taxa Referencial) mais uma taxa de juros negociável, de acordo com prazo de aplicação e volume aplicado. Para o investidor, a principal vantagem destes títulos é a isenção de Imposto de Renda, o que pode tornar o investimento mais atrativo do que outras alternativas como fundos de renda fixa ou CDB (Certificado de Depósito Bancário), por exemplo.

Letra imobiliária

Título emitido por sociedades de crédito imobiliário, destinado à captação de recursos para o financiamento de construtores e adquirentes de imóveis.

LIBOR - London Interbank Ordinary Rate

É a taxa de juros normalmente cobrada pelos bancos londrinos.

Liquidez

No mercado financeiro, é a facilidade e rapidez com que se converte um investimento qualquer em moeda corrente, com a menor perda possível de rentabilidade. Quanto mais rápido um título ou bem pode ser vendido no mercado, com o menor nível de perda de rentabilidade, maior a sua liquidez. Isso tem um valor, que está colocado no preço do ativo. O papel moeda é por definição o ativo de maior liquidez, porque é trocado sem custos e imediatamente. Em Bolsas de Valores, por exemplo, existem ações que são mais líquidas que outras, porque mais facilmente encontram compradores interessados. O mesmo acontece no mercado de imóveis e títulos de renda fixa. Também existem investimentos que não podem ser vendidos durante um determinado prazo de carência, ou mesmo durante todo o período da aplicação. São investimentos com nenhuma liquidez durante o tal período de referência. Uma aplicação em caderneta de poupança ou fundo de renda fixa pode ser resgatada diariamente, tendo portanto mais liquidez que um investimento em imóvel, que pode demorar para ser vendido a um preço de mercado. Não confundir liquidez com o prazo da aplicação. Ações, por exemplo, podem ser vendidas diariamente (são líquidas), mas se recomenda que sejam investimento com horizonte de longo prazo, ou seja, que na hora da compra haja uma disposição financeira para ficar neste investimento por um prazo suficiente, mesmo que longo, para que dê o retorno adequado.

Lote

Quantidade de títulos de característica idênticas.

Lote fracionário

Quantidade de ações inferior ao lote-padrão.

Lote-padrão

Lote de títulos de características idênticas e em quantidade prefixada pelas bolsas de valores.

Lote redondo

Lote Totalizando um número inteiro de lotes-padrões.

Lucratividade

Ganho líquido total propiciado por um título. Em bolsa, o lucro líquido proporcionado por uma ação, resultante de sua valorização em pregão em determinado período e do recebimento de proventos dividendos, bonificações e/ou direitos de subscrição distribuídos pela empresa emissora, no mesmo intervalo de tempo.

Lucratividade média

Média das várias lucratividade alcançadas por um título em diversos períodos.

Lucro líquido por ação

Ganho por ação obtido durante um determinado período de tempo, calculado por meio da divisão do lucro líquido de uma empresa pelo número existente de ações.

 

  Topo

M

                

Manipulação

No mercado financeiro, manipular é agir ou usar informações de forma irregular, para provocar distorções no mercado, desconsiderando as regras vigentes. Manipulação é crime. Em geral está associada ao objetivo de conseguir lucros indevidos ou provocar prejuízos. É o caso de investidores que soltam boatos mentirosos ou que tentam forçar os preços dos ativos a subirem ou caírem. A concentração dos ativos na mão de poucos vendedores facilita a manipulação do mercado, mesmo quando ela não ocorra de fato. O mercado financeiro tem regras e mecanismos para evitar a manipulação. A manipulação é péssima para o mercado, porque reduz a credibilidade na eficiência e justiça das operações financeiras, provocando perdas para a maioria dos agentes do mercado.

Margem

Montante, fixado pelas bolsas de valores, a ser depositado em dinheiro, títulos ou valores mobiliários, pelo cliente que efetua uma compra ou venda a termo ou a futuro, ou um lançamento a descoberto de opções.

Market maker

Na tradução literal, significa formador de mercado. São instituições que têm habilitação técnica e capacidade financeira para se comprometer a manter ofertas permanentes de compra e venda para determinadas quantidades de ações ou outros ativos. A bolsa é quem estipula o tamanho do lote mínimo de ações e o spread - taxa adicional de risco - máximo entre a oferta de compra e venda que o market maker é obrigado a manter diariamente no mercado. 

Maxidesvalorização

A princípio, qualquer desvalorização drástica de uma moeda pode ser denominada maxidesvalorização.

Mega Bolsa

Nome dado à tecnologia de negociação atualmente utilizada pela Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), implantada em 1997. O sistema engloba o pregão viva voz e os terminais remotos pelos quais as corretoras podem enviar suas ordens de compra ou venda diretamente de seus escritórios, em qualquer parte do País. O sistema reproduz na tela o ambiente de negócios, exibindo os registros de ofertas e propiciando o fechamento automático das operações.

Mercado a termo

Negócios realizados nas Bolsas de Valores ou de Mercadorias com um vencimento futuro acertado entre as partes. É um mercado diferente do futuro porque o preço é efetivamente pago apenas no vencimento, sem ajustes diários.

Mercado à vista

Mercado em que os negócios são realizados com pagamento à vista e entrega imediata da mercadoria. No mercado financeiro, a liquidação física (entrega dos títulos pelo vendedor) se processa no 2º dia útil após a realização do negócio em pregão e a liquidação financeira (pagamento dos títulos pelo comprador) se dá no 3º dia útil posterior à negociação, somente mediante a efetiva liquidação física.

Mercado Comum Europeu

Entidade supranacional que congrega doze países da Europa Ocidental (Alemanha, França, Itália, Holanda, Bélgica e Luxemburgo em 1957; Irlanda, Inglaterra e Dinamarca em 1973; Grécia em 1981 e Portugal e Espanha em 1986). Os países membros estabeleceram um sistema que tende a fundir seus mercados nacionais em um único mercado, instituindo facilidades para circulação entre eles de mercadorias e serviços; capitais e mão de obra.

Mercado de ações

Segmento do mercado de capitais, que compreende a colocação primária em mercado de ações novas emitidas pelas empresas e a negociação secundária (em bolsas de valores e no mercado de balcão) das ações já colocadas em circulação.

Mercado de balcão

Mercado de títulos sem lugar físico determinado para as transações, as quais são realizadas por telefone entre instituições financeiras. São negociadas ações de empresas não registradas em bolsas de valores e outras espécies de títulos, sem que haja conhecimento público, ou que outros agentes possam fazer ofertas para alterar o rumo da operação.

Mercado de balcão organizado

Sistema organizado de negociação de títulos e valores mobiliários de renda variável pela Comissão de Valores Mobiliários - CVM.

Mercado de Capitais

Toda a rede de Bolsas de Valores e instituições financeiras (bancos, companhias de investimento e de seguro) que opera com compra e venda de papéis (ações, títulos de dívida em geral).

Mercado de derivativos

É o mercado no qual a formação de seus preços deriva dos preços do mercado à vista. Neste universo, temos os mercados futuros, a termo, de opções e de swaps.

Mercado de opções

São contratos que negociam o direito de comprar ou vender algo. A palavra direito, neste caso, faz toda a diferença. Quem compra uma opção de compra de uma ação, por exemplo, tem direito de comprar esta ação por um dado preço acertado entre as partes (preço de exercício), em determinada data (vencimento), ou antes dela (alguns contratos permitem exercício do direito - da opção - antes do vencimento). Por este direito, o comprador da opção paga um preço chamado prêmio. Ou seja: o comprador da opção paga o prêmio pelo direito. E se exercer, paga a ação ao preço de exercício combinado em contrato. Exercendo ou não a opção, o comprador perde o prêmio para o vendedor. A lógica por trás deste sistema é a seguinte: quem compra uma opção de compra a $ 100 acredita que no vencimento a ação estará custando mais de $ 100. Ou seja: vai poder comprar barato e vender mais caro no mercado. O comprador tanto acredita nisso que paga um prêmio para o vendedor da opção. Já o vendedor acredita no contrário: que o preço de $ 100 está é caro para a data de vencimento. E aceita correr o risco de estar errado em troca do mesmo prêmio. Nas opções de venda a lógica é a mesma, mas a operação é diferente. Quem vende uma opção de venda corre o risco de ter que comprar ação de quem comprou esta opção. Neste caso, o vendedor da opção de venda acredita que o preço no vencimento estará acima do valor de exercício, de forma que o comprador deste direito não vai querer vender sua ação por preço mais barato. O comprador da opção de venda, na contramão, acredita que o preço de mercado estará mais baixo, de forma que terá interesse em vender o papel pelo preço de exercício.

Mercado financeiro

È o mercado voltado para a transferência de recursos entre os agentes econômicos. No mercado financeiro, são efetuadas transações com títulos de prazos médio, longo e indeterminado, geralmente dirigidas ao financiamento dos capitais de giro e fixo.

Mercado futuro

Mercado no qual são realizadas operações, envolvendo lotes padronizados de commodities ou ativos financeiros, para liquidação em datas prefixadas. De forma simplificada, é um contrato que dá direito ao comprador ao recebimento de mercadoria ou ativo financeiro, ou seu equivalente em valores monetários, em data futura determinada. Naturalmente, este contrato cria obrigação semelhante em sentido contrário e complementar para o vendedor do contrato. O mercado futuro pode ser usado como operação de hegde (seguro), ou por especuladores. Por exemplo, um agricultor tem interesse em vender seu café a no mínimo $ 170, mas está com receio que na safra, daqui a seis meses, o preço de mercado não esteja neste patamar. Então, verifica que os contratos futuros de café com vencimento em seis meses estão custando $ 180. Na outra ponta temos a administração de uma torrefadora. Ela quer garantir que daqui a seis meses vai poder comprar café a um preço razoável dentro do padrão de renda de seus consumidores. A administração também acha razoável o preço do contrato de café com vencimento em seis meses a $ 180. Então, o produtor vende contrato de café no mercado futuro e se compromete no vencimento a entregar seu produto ao preço acertado. A torrefadora, que comprou o contrato, aceita pagar este preço no vencimento. Ambos fizeram uma operação de hedge, se garantindo mutuamente contra oscilações (altas ou baixas) maiores de preços. Se o preço subir acima deste patamar, o agricultor terá deixado de ganhar, e a torrefadora terá economizado. E vice-versa. Este mesmo instrumento poderia ser usado com maior nível de risco. Suponha que o mesmo agricultor acredite que $ 180 é um preço muito barato, e resolva comprar 10 contratos neste valor para ganhar se o preço subir. Seu objetivo então é ganhar com a venda de seu produto mais a diferença entre os preços de $ 180 e o quanto espera que o produto custe no mercado, por exemplo, $ 400, se o preço esperado for de $ 220. Porém, se o preço cair para $ 150, o agricultor vai vender sua própria produção a este preço, e ainda vai ter que pagar $ 180 por algo que vale $ 150 no mercado, perdendo um total de $ 300 no exemplo dado. O mesmo contrato futuro, neste caso, serviu para uma operação de risco, com perdas. Do ponto de vista técnico, este mercado se diferencia do a termo porque exige que os participantes paguem ajustes diários, como forma de diminuir o risco da operação. Desta forma, se o preço do contrato sobe, seu vendedor é obrigado a pagar a diferença para o comprador. E se o preço do contrato cai, o comprador paga a diferença ao vendedor. Isso reduz o risco porque vai obrigando compradores e vendedores a pagarem diariamente a diferença, evitando que uma eventual inadimplência de algum agente seja conhecida apenas no vencimento, quando os prejuízos para o mercado podem ser mais expressivos.

Mercado primário

Se refere à primeira colocação de ações ou outros títulos no mercado financeiro, provenientes de novas emissões. As empresas recorrem ao mercado primário para completar os recursos de que necessitam, visando ao financiamento de seus projetos de expansão ou seu emprego em outras atividades.

Mercado secundário

No qual ocorre a negociação dos títulos adquiridos no mercado primário, proporcionando a liquidez necessária.

Mercosul

O Mercado Comum do Sul, conhecido como Mercosul (em espanhol, Mercosur), é um acordo de livre comércio entre Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai, estabelecido pelo Tratado de Assunção, em 26 de março de 1991. São membros associados a Bolívia (desde 1997) e o Chile (desde 1996), países que negociam a entrada no Mercosul. Nem todas as medidas acordadas já foram implementadas, como o estabelecimento da tarifa externa comum para todos os produtos, mas as relações entre os países membros aprofundaram-se muito desde a sua vigência. Os objetivos do Mercosul são o estabelecimento de uma tarifa externa comum, a adoção de uma política comercial comum e a coordenação de políticas macroeconômicas e setoriais dos seus membros. 

M & A - Merger and Acquisition

Significa fusão e/ou aquisição de uma empresa por outra.

Meta

Mercado de Empresas Teleassistidas implantado desde agosto de 1996. É um mercado de acesso da Bovespa. Empresas que desejam lançar ações na Bovespa usam o Meta para ganhar liquidez, para se mostrar ao mercado, com maior facilidade do que necessitam na própria Bolsa. O Meta tem regras e tratamento próprios, mas as empresas nele transacionadas fazem parte do mercado principal da Bovespa, obedecendo às suas normas e regulamentos. Para a realização das operações no Meta, é necessário que um promotor de negócios (pessoa jurídica) seja o intermediário das negociações de ações desta empresa, garantindo ofertas diárias firmes de compra e venda dos papéis. Além disso, as operações terão início a partir do recebimento de ofertas de compra e venda durante o período de pré-abertura do mercado, o qual tem como objetivo estabelecer o preço base de abertura. Após o fechamento dos negócios com base nas ofertas colocadas no período de pré-abertura, o mercado do papel abre para a negociação contínua do mesmo.

Moeda corrente

Dinheiro autorizado a circular legalmente pelo país, emitido pelo governo e utilizado como forma de pagamento.

Moeda podre

Denominação dada a títulos da dívida pública ou de estatais, que não têm liquidez (facilidade de negociação) por não terem sido pagos no vencimento. São aceitos pelo seu valor nominal nos processos de privatização. Estes títulos são negociados no mercado com grande desconto (deságio) em relação ao seu valor nominal (de face). Ou seja: o valor de mercado é bem inferior ao valor nominal. O tamanho do deságio depende do emissor (muitas vezes estatais que não existem mais), do vencimento do título e de outras características. Se tornaram populares nos processos de privatização ao serem aceitas como forma de pagamento pelo seu valor nominal.


A - B C - F N - S T - Z  Índice